<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=680782996107910&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Três tendências de sustentabilidade de talentos para 2021

6 min de leitura

Publicado em 13/05/21

O ano de 2020 solidificou ainda mais a importância do papel dos Recursos Humanos no crescimento das organizações. A pandemia global, a crise econômica, os movimentos sociais que aumentaram as desigualdades contribuíram ainda mais para que as empresas se concentrassem em aspectos tidos como primordiais para os funcionários: saúde, qualificação transparência. Por isso, as organizações que procuram ter os melhores talentos hoje – e no futuro -, estão começando a incorporar esses temas em suas estratégias de sustentabilidade, e o RH está no comando deste processo. 

Aproveite para descansar os olhos e ouvir este conteúdo:

A maioria dos executivos (71%) concorda que o RH tem um papel vital no estabelecimento da cultura organizacional e, além disso, 7 em cada 10 profissionais de Recursos Humanos têm uma estratégia para projetar uma experiência do funcionário que espelhe a experiência do cliente. Isso significa o surgimento de uma nova relação empregador/empregado, na qual o empregador assume uma responsabilidade maior pela saúde e bem-estar do colaborador e passa a ver os trabalhadores como consumidores dentro da organização.  

Adicionalmente, as empresas agora possuem grandes quantidades de dados da força de trabalho – desde e-mail e uso de computador até análises de desempenho de IA. Por outro lado, os trabalhadores estão cada vez mais confortáveis com o monitoramento, mas esperam que os empregadores sejam transparentes e comunicativos com eles a fim de criar-se uma relação de confiança. 

Confira alguns exemplos de como líderes de RH em todo o mundo estão desenvolvendo as tendências de sustentabilidade de talentos e saiba como posicionar sua organização para o crescimento em 2021 e além. 

 

TENDÊNCIA 1: SAÚDE 

Assim como a criação de novos procedimentos em torno do distanciamento social e protocolos de segurança, como verificações de temperatura, para manter os funcionários saudáveis ​​e seguros, os profissionais de RH passaram a priorizar o bem-estar emocional dos funcionários, objetivando diminuir os sentimentos de isolamento, ansiedade e estresse. Não se trata apenas de reter os funcionários existentes, mas também de recrutar o talento certo, já que profissionais motivados têm seis vezes mais probabilidade de trabalhar para empresas que se concentram na saúde e no bem-estar. 

No contexto de pandemia, as empresas recorreram ao RH para implementar as orientações do governo quanto aos protocolos de segurança para proteger os colaboradores, incluindo limitar reuniões, separar estações de trabalho, rastrear contatos, agendar mais limpezas dos espaços de trabalho e encorajar o uso de máscaras. Esses esforços devem continuar não apenas para minimizar a transmissão do coronavírus entre os funcionários, mas também para aumentar a confiança dos trabalhadores e a tranquilidade de que o local de trabalho é de fato um espaço seguro. 

Sessões de coaching profissional sob demanda também estão sendo utilizadas no apoio à saúde mental e bem-estar dos funcionários. A empresa de contabilidade global PwC começou recentemente a fornecer acesso a coaches que estão disponíveis para discutir qualquer assunto que possa estar causando estresse aos funcionários. Esse tipo de sessão oferece uma oportunidade inestimável de ouvir, aprender e entender o que os trabalhadores desejam e como atender às suas necessidades, abrindo as portas para uma força de trabalho mais resiliente. 

 

TENDÊNCIA 2: APRIMORAMENTO E REQUALIFICAÇÃO  

Ainda que cerca de 65% dos postos de trabalho que a Geração Z exercerá no futuro não existam ainda, não é surpresa nenhuma que as empresas de hoje já estão correndo para requalificar seus funcionários. A necessidade de treinar e desenvolver novas habilidades para aumentar o fluxo de talentos se intensificou à medida que as empresas foram forçadas a se adaptar durante a pandemia de Covid-19 e à onda de transformação digital que veio com ela. 

O Walmart, tendo desenvolvido seu programa interno de qualificação ao longo dos anos, é um grande exemplo de como essa tendência de sustentabilidade de talentos pode ser implementada em escala. A Walmart Academy foi criada em fevereiro de 2016 para fornecer o treinamento necessário para 8.000 novos gerentes e, em seguida, para toda a força de trabalho – 2.2 milhões de funcionários. Hoje, o gigante do varejo tem 201 academias dentro dos Supercenters do Walmart e salas de aula modulares nos estacionamentos das lojas. Em 2019, os treinamentos integrados com realidade virtual (VR) e a retenção aumentaram 10%. A empresa também diz que seus esforços de qualificação resultaram na promoção de 215.000 funcionários em apenas um ano. 

“Seja em habilidades pessoais ou técnicas, a qualificação e a requalificação estão ligadas ao desejo dos funcionários de aprender continuamente”, diz Marceline Beijer, vice-presidente de soluções de talentos do ManpowerGroup. “Ensinar aos funcionários habilidades novas e relevantes pode proporcionar paz de espírito e até felicidade, sabendo que seu conjunto de habilidades não se tornará obsoleto. Isso realmente pode colocar não apenas seus funcionários, mas toda a empresa em uma posição de destaque em 2021 e nos próximos anos.” 

 

TENDÊNCIA 3: TRANSPARÊNCIA DE DADOS 

Os trabalhadores da atualidade exigem mais transparência de seus empregadores sobre  bem-estar e produtividade em nível individual, bem como em torno de questões ambientais e sociais em nível organizacional. E, para construir a confiança dos funcionários e evitar a rotatividade, as equipes de RH devem estar preparadas para responder a novas perguntas dos colaboradores acerca da propriedade de dados. Por exemplo, o RH agora é responsável por coletar dados de saúde para evitar a propagação da Covid-19. À medida que novas tecnologias de RH continuam a ser introduzidas para monitorar e melhorar o desempenho dos funcionários, os profissionais de Recursos Humanos também têm a tarefa de serem os guardiões desses dados. Por isso, uma abordagem empática e ética é crucial. 

Liderança empática também será necessária à medida que funcionários, clientes e comunidades exigem que as organizações ajam como cidadãos globais e responsáveis ​​pelo meio ambiente. Adicionalmente, diversidade e inclusão são valores fundamentais para a preparação para o futuro do trabalho. 

“Esta é uma área que os próprios líderes de RH devem se concentrar na qualificação”, diz Beijer. “Estamos vendo um aumento notável no ESG (governança ambiental, social e corporativa) e, representando a voz dos funcionários, o RH precisa ter um lugar nesta mesa.” 

Os funcionários se lembrarão de como seus empregadores demonstraram empatia por eles durante a pandemia. À medida que avançamos em 2021, as organizações que se concentram em confiança e transparência, bem-estar e qualificação estarão um passo à frente para manter os funcionários existentes felizes e atrair novos talentos pós-pandemia.

Deixar comentário