<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=680782996107910&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

O que você precisa entender sobre retenção de talentos

5 min de leitura

Publicado em 10/12/17

Atualizado em Julho 28, 2021

Em um mercado cada vez mais complexo e competitivo com amplas possibilidades de crescimento para bons profissionais, é essencial que sua empresa entenda a importância da retenção de talentos.

Modelos de gestão rígidos e formas de trabalho rotineiras estão caindo em desuso. As novas tecnologias e os novos formatos de emprego que surgem a partir da transformação digital são um dos pontos fortes que influenciam esse contexto.

Entender que todo colaborador, por mais que busque crescimento, quer também autonomia e qualidade de vida é fundamental, já que esses são os verdadeiros propósitos de trabalhar e ser remunerado.

Se ficou interessado em entender como a retenção de talentos funciona, continue lendo.

1. Tenha um bom plano de carreira

Vamos começar por um ponto que é unanimidade entre os especialistas em Recursos Humanos: plano de carreira. O motivo disso é bem simples e lógico já que sem um plano de carreira não há motivação para melhores resultados, e sem motivação, não há retenção de talentos.

Por mais interessado que o colaborador esteja em desenvolver um bom trabalho dentro da empresa, ele não fará isso se não enxergar perspectivas de ganho e crescimento naquilo que faz. Tendo isso em mente, valorize os seguintes quesitos na estrutura organizacional da sua empresa:

  • defina cargos, quais são e como podem ser alcançados;
  • faça um organograma explicitando esses cargos e qual a hierarquia da empresa;
  • pesquise salários e formas de remuneração praticadas hoje no mercado;
  • pesquise também a estrutura interna da empresa para estabelecer limites razoáveis sobre as chances a serem oferecidas;
  • conclua esse processo definindo as faixas salariais de cada cargo, bem como possíveis acréscimos de acordo com os resultados apresentados.

2. Economize ao reter talentos

Você deve saber bem, ou ao menos ter uma noção, do quanto custa para uma empresa demitir um funcionário e contratar outro em seu lugar. Além das questões legais e contratuais envolvidas nesse processo, esse tipo de situação pode exigir o investimento em treinamentos, além de um tempo considerável para a adaptação do novo colaborador.

Isso se torna ainda pior quando estamos falando de bons profissionais que decidem deixar a empresa após um longo tempo de colaboração. Além de fazerem falta para a equipe e os resultados da empresa, eles estarão levando todo o know how desenvolvido durante anos para outra organização.

Evite esse tipo de problema se inteirando melhor sobre como realizar a retenção de talentos. Continue lendo.

3. Gere maior engajamento

Se um colaborador entra em uma empresa sabendo que ela valoriza o seu potencial, certamente ele estará muito mais propenso a dar o melhor de si e continuar na organização.

Além disso, se já existem na empresa profissionais talentosos sendo retidos, isso contamina positivamente o clima organizacional, servindo como inspiração para outros colaboradores e propiciando a formação de equipes mais alinhadas.

Quando há alinhamento, há também otimização de resultados, já que todos trabalharão juntos para o benefício de todos: colaboradores e empresa.

4. Ganhe capital intelectual com a retenção de talentos

Talvez já esteja claro a essa altura, mas é sempre bom frisar: se um bom colaborador fica em sua empresa por mais tempo, ele estará cada vez mais íntimo dos processos organizacionais e terá mais domínio sobre eles. Isso permite que o colaborador gere não só melhores resultados, mas direcione os demais colaboradores a alcançarem a excelência.

Se, por um lado, profissionais experientes podem ter certos “vícios” na forma de trabalhar, por outro, eles têm a competência e o know how que um iniciante ou mesmo um profissional de resultados medianos pode levar um longo tempo para conseguir.

Com um time de talentos dentro da sua empresa, essas vantagens se potencializam ainda mais. Quanto às possíveis desvantagens que o profissional mais experiente pode ter, continue lendo que mostraremos como saná-las.

5. Respeite a hierarquia, mas não seja autoritário

Lembra na introdução quando falávamos em quanto o mundo vem mudando velozmente? Pois então, uma das características do novo mercado e da nova economia que começa a surgir é de maior horizontalidade e flexibilidade nas relações de trabalho.

O que não falta hoje são opções de trabalho para bons profissionais, eles sabem onde procurar as vagas que querem, no perfil que desejam. Por isso, se você ainda pensa em estruturas e formas rígidas de trabalho, é melhor repensar urgentemente essa abordagem se quiser reter seus melhores colaboradores e aqueles que ainda estão por vir.

Além do mais, saber ouvir é sempre um grande aprendizado e os profissionais com maior tempo de casa podem aprender com os mais novos (e vice-versa), eliminando os tais “vícios” que citávamos no tópico anterior.

Você pode, por exemplo:

  • criar uma política de portas abertas na empresa, começando pelos cargos mais altos;
  • fortalecer a comunicação interna, seja por meio de reuniões periódicas, comunicados, murais ou aplicativos para celular;
  • pesquisar o nível de satisfação dos colaboradores na empresa e buscar as melhorias pertinentes e necessárias;
  • deixar claro que a estrutura organizacional não impede, nem sufoca o desenvolvimento de novas ideias e iniciativas criativas por parte dos colaboradores.

Em um clima como esse fica muito mais fácil as pessoas encontrarem prazer no trabalho e darem o melhor de si todos os dias.

6. Como montar um plano de retenção de talentos

Um bom plano de retenção de talentos passa tanto por questões objetivas e práticas, quanto por outras mais sutis, por assim dizer. É importante você considerar ambos os lados da moeda se quiser construir um plano eficaz.

Abaixo, elencamos alguns dos principais pontos:

  1. pague um salário, no mínimo, compatível com o do mercado;
  2. ofereça benefícios como planos de saúde e odontológico, se possível estendidos à família do colaborador, seguro de vida e aposentadoria privada paga pela empresa;
  3. valorize uma cultura organizacional agradável, com um ambiente inspirador, horários flexíveis e com espaços para ginástica e relaxamento;
  4. evite criar um espaço muito fechado e compacto com divisórias em excesso que geram a sensação de confinamento no colaborador;
  5. enxergue todos como iguais fortalecendo a meritocracia, mas entendendo também que existe vida além do trabalho e que um pouco de sensibilidade é muito bem-vinda em ambientes profissionais.

Esses são apenas alguns quesitos básicos para deixar os talentos de sua empresa satisfeitos com o local onde trabalham e as atividades que desenvolvem. Pode haver ainda outras alternativas a serem aplicadas de acordo com cada contexto. Desenvolvendo uma relação mais próxima com seus colaboradores, você saberá o que ainda precisa ser melhorado. Escute, dialogue, pois todos têm a ganhar com isso.

Se você gostou de entender como funciona a retenção de talentos e como aplicá-la, não deixe de conferir nosso post sobre como reduzir o turnover na sua empresa.

Deixar comentário