<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=680782996107910&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Sentidos do Trabalho, uma história em transform(ação)

9 min de leitura

Publicado em 25/05/22

Atualizado em Junho 4, 2022

Clique no play para conferir a versão em podcast deste conteúdo!

O que o trabalho significa para você? A resposta para essa pergunta certamente muda de acordo com o período em que você estiver inserido. Atravessando a história da humanidade, desde os primeiros agrupamentos, até hoje, na era da hiperconectividade, o conceito de trabalho vem ganhando significados distintos, refletindo os valores, a cultura e o pensamento da sociedade, bem como alimentando a noção de moral, de ética e a construção dos próprios comportamentos de cada época, em uma simbiose permanente.

Mais do que uma atividade para obter recursos de sobrevivência, o trabalho se fundiu com as nossas identidades e se tornou nossa expressão pessoal para o mundo.

É pelo trabalho que o homem modifica seu próprio meio e pode modificar a sí próprio.

Georges Friedmann, sociólogo francês

 

 

 

 

 

Neste momento, estamos mergulhados em mais uma profunda transformação sobre o sentido do trabalho e o que ele representa em nossas vidas, individual e coletivamente. E para onde ele vai?

Bom, para esta resposta, propomos olhar para trás, compreender os caminhos percorridos até aqui, aprender pelas lentes do passado e do presente e, então, questionar quais serão nossos próximos passos.

Junte-se a nós nessa jornada.

TRABALHO: É POSSÍVEL DEFINI-LO? 

De forma bastante abrangente, o trabalho pode ser compreendido como a ação humana que transforma a realidade. Ou ainda, qualquer atividade física, criativa, intelectual que realizamos com objetivo de fazer, alterar ou obter a satisfação de necessidades básicas e necessidades emocionais e psicológicas.

 

PRÉ-HISTÓRIA: DO NOMADISMO À AGRICULTURA 

Partindo desta definição, podemos encontrar o trabalho logo na pré-história. Ao desenvolver ferramentas de pedra e buscar alimentos por meio da caça e da coleta, os seres humanos modificam o meio para alcançar um único fim: a sobrevivência.

Nossos ancestrais aprendem, então, os princípios da agricultura e começam a se agrupar e a se fixar geograficamente, gerando novas formas de interação com o ambiente e conferindo ao trabalho um sentido mais coletivo, com processos e papéis sociais.

O TRABALHO COMO CASTIGO  

O termo “trabalho” vem do latim “tripalium”, um instrumento de tortura usado em Roma durante a Antiguidade. Assim, a origem da palavra está associada à punição, ideia que revestiu o conceito de trabalho até a Idade Média.

 

ANTIGUIDADE: BRAÇOS X MENTE 

Grupos se tornaram civilizações. A agricultura e a pecuária se desenvolveram.

Nas sociedades que são o berço da cultura ocidental, como Roma e Grécia, acentua-se a divisão social do trabalho: artesãos, produtores de alimentos e escravos, os quais realizam trabalhos braçais, são vistos como pessoas inferiores, reforçando a visão punitiva do labor.

Enquanto o esforço físico é depreciado, os esforços reflexivos são supervalorizados, sendo os aristocratas os dignos de desfrutar do ócio criativo e do exercício do pensamento.

 

IDADE MÉDIA: DO CAMPO AO COMÉRCIO 

Com o sistema da escravidão sendo deslegitimado, surge uma nova organização chamada feudalismo, na qual o campo ganha mais protagonismo.

Ainda assim, a ideia de trabalho como punição persiste, sendo designado aos servos que trabalham na terra de seus senhores em troca de comida, moradia e proteção.

Os nobres, por sua vez, dedicam-se à defesa dos territórios. No fim deste período, as atividades comerciais se intensificam, dando origem à burguesia, classe social que move o trabalho para um novo sentido.

 

RENASCIMENTO: HUMANOS NO CENTRO 

Ainda na Idade Média, desponta um movimento multifacetado — da cultura à economia — conhecido como Renascimento, reformulação tamanha que deu início à era moderna. O homem passa a ser o centro do mundo — não mais Deus.

Com novos valores em voga, como as religiões protestantes que defendem a riqueza, a vocação e o acúmulo de bens, a burguesia ascende e ressignifica o trabalho como ação que dignifica a existência e leva à satisfação pessoal. O ócio, tão valorizado na antiguidade, perde o trono.

 

1ª REVOLUÇÃO INDUSTRIAL: MÁQUINAS A TODO VAPOR 

No início do século XVIII, o desenvolvimento das máquinas a vapor destrava a humanidade para a era fabril, em um período efervescente de mudanças sociais.

De um lado, a burguesia industrial, dona dos meios de produção; do outro, a recém-formada classe assalariada. A crescente população urbana gera mão-de-obra barata, tornando a própria força de trabalho uma ‘mercadoria’ para a produção em massa.

O trabalhador, então, distancia-se do que realiza e da noção de trabalho como expressão de suas capacidades individuais. As condições laborais muito precárias dão origem aos movimentos operários que lutam por direitos trabalhistas, os quais hoje suportam a relação entre profissionais e empregadores.

 

NOVAS REVOLUÇÕES: ACENDE A LUZ DA DIGITALIZAÇÃO 

Técnicas e tecnologias sempre moldaram a evolução do trabalho. Na segunda revolução industrial, no século XIX, o vapor dá lugar à eletricidade, aperfeiçoando os processos produtivos e alimentando a ideia de eficiência máxima.

No século XX, a terceira revolução industrial pavimenta a era digital que se seguirá, apresentando à humanidade a computação e os avanços na genética. Ganha espaço o trabalho como atividade produtiva, em que o tempo livre é estreito e o ócio, mais condenável.

 

Ilustra-Infografico-1 Ilustra-Infografico-2
   
(Crédito: SalesForce)

HUMANOS X MÁQUINAS OU HUMANOS + MÁQUINAS? 

Redes, robótica, automação, inteligência artificial, machine learning, big data. A era da hiperconectividade deu seus primeiros sinais nos anos 2000 e segue em curso de forma cada vez mais acelerada.

Até 2025, o Fórum Econômico Mundial prevê que máquinas e humanos dividirão igualmente o trabalho. As tecnologias emergentes reconfiguram da cadeia produtiva às habilidades necessárias para os trabalhadores e empresas prosperarem. Onde, como e por que trabalhamos têm novas e diversas possíveis respostas.

 

A REINVENÇÃO DO TRABALHO PELOS TRABALHADORES 

A pandemia da COVID-19 catapultou tendências, abrindo espaço para o trabalho remoto e híbrido, além de questionamentos sobre o conceito de trabalho pautado no excesso de produtividade e performance. Trabalhadores reivindicam flexibilidade, propósito e qualidade de vida e, como agentes do futuro, estão redesenhando os contornos do que significa trabalhar.

Enquanto casos de burnout explodem, a crise climática se agrava e ações por diversidade, equidade e inclusão são cobradas, a necessidade de equilíbrio e de valores compartilhados com as organizações redefinem as relações laborais.

 

64% dos funcionários querem que seu trabalho diário ajude a construir um mundo melhor.

49% dos trabalhadores mudariam de organização para terem mais bem-estar.

Fonte: Great Realization, ManpowerGroup.

ECONOMIA GIG E OS DOIS LADOS DA MOEDA 

Os avanços tecnológicos e as mudanças no comportamento de consumo criaram uma nova economia na qual profissionais oferecem serviços de forma independente por meio de plataformas digitais e da internet.

Autônomos e freelancers estão compondo o ecossistema de talentos das empresas e inspirando uma nova mentalidade — mais proativa, criativa e autogerenciável — também para profissionais permanentes.

No entanto, essa dinâmica também pode ser encarada pela perspectiva da precarização do trabalho — o fenômeno da ‘uberização’, em que trabalhadores não têm um vínculo formal de emprego e, portanto, menos garantias e direitos.

A cada época, em uma dança com eventos tecnológicos, filosóficos, econômicos e sociais, o trabalho foi naturalizado como parte inerente ao ser humano. Hoje, conscientes desse percurso, dos significados e dos aprendizados, podemos nos apropriar da construção de modos mais saudáveis e sustentáveis, compreendendo suas faces em diferentes contextos de vida e o seu impacto na sociedade como um todo.

Esta é a oportunidade de atualizar o sentido do trabalho e dar mais sentido a ele. Vamos continuar essa história?

 

Compartilhe com seus colegas e com as pessoas da sua organização.

ManpowerGroup Brasil.

 

Fontes: 

http://www.sociologia.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=334#Trabalho

https://vestibular.uol.com.br/resumo-das-disciplinas/atualidades/trabalho-o-conceito-e-a-relacao-com-o-tempo-livre-ao-longo-da-historia.htm

https://periodicorease.pro.br/rease/article/view/1759/736

Rotas - O futuro do trabalho | O Futuro das Coisas

https://tab.uol.com.br/faq/uberizacao-o-que-e-como-funciona-como-surgiu-e-outras-duvidas.htm

Deixar comentário