<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=680782996107910&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Afinal, como é trabalhar em uma startup?

5 min de leitura

Publicado em 10/01/18

Tanto o desejo de ter uma vida profissional mais flexível quanto encontrar uma alternativa para as incertezas que o cenário econômico brasileiro implica para os seus trabalhadores têm feito muitas pessoas se perguntarem como é trabalhar em uma startup.

Sobretudo para os jovens das gerações Z e millenium, habituados a um estilo de vida mais dinâmico e agitado, trabalhar em uma empresa com maior flexibilidade de horário e de atuação profissional tem sido um grande atrativo.

Outros profissionais, habituados com um sistema mais rígido e hierárquico, podem ter dificuldade em se adaptar, sendo importante entender melhor como é trabalhar em uma startup.

Independentemente de qual for o seu caso, separamos para você os prós e os contras de como é o trabalho nesse tipo de empresa jovem e empreendedora  que tem ganhado cada vez mais espaço no Brasil e no mundo (só aqui já são mais de cinco mil devidamente registradas). Confira!

Vantagens de trabalhar em uma startup

1. Ambiente de trabalho informal

Por mais que trabalhar em uma empresa tradicional e já consolidada no mercado traga diversos ganhos materiais, o estresse de se submeter a uma rotina rígida e repetitiva acaba desgastando bastante os funcionários — afinal, quem é que nunca ouviu uma história de um profissional bem-sucedido que largou tudo em busca de uma vida menos estressante, não é mesmo?

No caso das startups, toda essa rigidez é bastante aliviada. Isso porque essas empresas jovens costumam funcionar em um sistema horizontal, onde todos se consultam e se ajudam mutuamente na resolução de problemas. Além disso, espaços de relaxamento, com mesa de sinuca, videogame e outros locais similares contribuem para uma aproximação ainda maior entre os colaboradores.

A figura do chefe como aquela pessoa que diz o que deve ou não deve ser feito e da forma como ele acha certo praticamente não existe. Isso pode assustar algumas pessoas, mas saiba que, se você é proativo, estará no lugar certo para dar vazão a todo o seu potencial.

2. Rápida ascensão profissional

Todo esse dinamismo e fluidez nas relações profissionais levam também a uma possibilidade de ascensão muito mais ágil do que em uma organização de viés tradicional. Inclusive não é raro as startups compensarem os baixos salários oferecendo participação nos lucros ou até mesmo parte das ações da empresa.

O contato direto e constante com o proprietário da startup também contribui para essa veloz ascensão, já que você não precisa provar nada a ninguém, pois estará lado a lado com o fundador da empresa. Isso facilita o reconhecimento de habilidades, bem como a delegação de tarefas importantes a pessoas que estão há pouco tempo no cargo.

Se você não teme desafios e busca crescimento, trabalhar em uma startup pode ser uma ótima pedida!

3. Aprendizado profissional impulsionado

Essa estrutura aberta, dinâmica e horizontal inevitavelmente leva a um aprendizado prático muito grande e rápido. Você estará em contato com diversas pessoas de formações e contextos culturais diferentes, em um ambiente propício para a constante troca de informação e até o desenvolvimento de grandes amizades.

Essa forte energia que flui dentro de uma startup vai contra qualquer comodismo ou estagnação profissional. Ainda que no currículo possa não ter o mesmo peso que trabalhar em uma empresa tradicional, o aprendizado costuma ser muito maior e mais veloz ao trabalhar em uma startup.

4. Expansão das habilidades profissionais

Além de aprender muito e rápido, você também expandirá os seus conhecimentos profissionais. Como as startups estão muito ligadas à área de tecnologia, independentemente do setor em que prestam serviço, a necessidade de se atualizar com constância e se aprimorar é uma premissa nessas empresas.

O conforto de se apegar a um conhecimento já aprendido anteriormente não se aplica a essa forma de trabalho. Quanto mais aberto você estiver para aprender com os demais e buscar novas informações, mais crescerá e se desenvolverá ao trabalhar em uma startup.

Desvantagens de trabalhar em uma startup

1. Plano de carreira desestruturado

Da mesma forma que uma estrutura mais aberta pode trazer maior satisfação no ambiente de trabalho, traz também a desvantagem da incerteza ou mesmo a falta de clareza de como se dará a ascensão dentro da empresa.

Essa situação pode trazer um sentimento de insegurança nos funcionários em relação a:

  • por que alguns colaboradores recém-chegados alavancaram a sua carreira mais rapidamente que outros que aparentemente se dedicam por igual;
  • quanto tempo leva para sair de determinado cargo para alcançar outro melhor;
  • o que fazer, de forma prática e clara para todos, para ascender dentro da empresa.

Para o sistema horizontal funcionar bem, são necessárias algumas diretrizes capazes de trazer unidade ao coletivo, e nem todas as startups conseguem fazer isso bem, até porque estão ainda em um processo de aprendizado em termos de gestão de pessoas e administração dos negócios.

2. Salários mais baixos

Por operarem em uma estrutura mais simples, costumam oferecer um salário mais baixo que as empresas renomadas que trabalham no sistema antigo. Ainda que exista a chance de participação nos lucros, nada garante que isso será igual ou maior que a remuneração oferecida por grandes organizações.

Ademais, participação nos lucros significa também muito esforço e muito trabalho. Não tem como querer ganhar sem mostrar resultados diariamente, e isso pode ser um tanto assustador para pessoas que não lidam bem com pressão e um ambiente mais agitado como o de uma startup.

3. Alta rotatividade

Toda essa abertura na cultura organizacional também pode criar um ambiente no qual os profissionais não permanecem por muito tempo. Os motivos para isso são vários, e vão desde o interesse de outras startups e empresas nesses profissionais, como também o próprio desejo e iniciativa deles em montarem os seus próprios negócios e até mesmo criarem uma nova startup.

Isso dificulta um pouco o estabelecimento de diretrizes gerais, já que o coletivo está sempre em mudança, e o perfil dos profissionais também. Nesse sentido, pensar em longo prazo ao trabalhar para uma startup pode não ser tão simples como aconteceria em uma empresa que segue um padrão tradicional.

4. Pouco direcionamento sobre o trabalho

A quarta desvantagem talvez seja uma questão de ponto de vista, já que alguns lidam bem com isso e outros nem tanto. Conforme adiantamos no início deste artigo, não espere um chefe autoritário e vigilante ao trabalhar em uma startup. O mais provável é que você próprio seja o seu chefe e esteja encarregado de tarefas e contatos importantes desde o início.

A cultura nesses locais é mais de entrega do trabalho no prazo comprometido e com qualidade do que necessariamente a submissão a algumas regras que nem sempre têm a ver com o desempenho profissional de cada um. Cabe a você julgar como lidaria com um ambiente assim.

Se gostou de saber como é trabalhar em uma startup, siga-nos nas redes sociais para continuar acessando conteúdos relevantes como este. Estamos no FacebookLinkedinTwitter e temos também um canal no YouTube. Acompanhe-nos e fique por dentro de tudo o que precisa saber sobre o mundo do trabalho.

Deixar comentário