<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=680782996107910&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Trabalho híbrido: como implementar de vez a flexibilização

8 min de leitura

Publicado em 28/04/21

O período de pandemia do novo coronavírus trouxe consigo grandes transformações que demandaram adaptações quase que imediatas, sobretudo aquelas relacionadas aos protocolos de distanciamento social, com a finalidade de proteger a saúde das pessoas. E é justamente neste contexto que o home office surge como uma solução emergencial das organizações para manter os profissionais em segurança.  

Aproveite para descansar os olhos e ouvir este conteúdo

Apesar de ter se difundido como uma medida emergencial, após mais de um ano de pandemia, o trabalho remoto tem se mostrado eficiente e com boas taxas de adesão por parte dos trabalhadores. Segundo a pesquisa “Covid-19 Consumer Study” da IBM, a possibilidade de trabalhar remotamente agradou a grande parte dos brasileiros, de modo que 52% dos profissionais entrevistados desejam continuar trabalhando majoritariamente em casa ou com idas esporádicas ao escritório, 25% querem voltar ao modelo presencial, mas com a possibilidade de trabalhar em casa ocasionalmente e apenas 10% preferem trabalhar todos os dias no escritório da empresa. Neste sentido, organizações do mundo todo, como o Twitter e a corretora de câmbio XP Investimentos, já estão criando estratégias para a implementação do trabalho híbrido pós-pandemia.  

trabalho híbrido nada mais é do que um modelo no qual o funcionário alterna na semana ou no mês dias de trabalho presencial e dias de home office. Essa categoria permite uma rotina mais flexível, na qual une-se o melhor dos dois mundos – a manutenção dos vínculos sociais que o presencial oferece e a comodidade e otimização do tempo que trabalhar desde casa proporciona.   

É cada vez mais notório que estamos vivendo um processo de transição para uma nova realidade, na qual a capacidade de adaptação e a necessidade de flexibilização por parte das empresas e profissionais será ainda mais vital na construção do novo futuro do trabalho. Assim, as lideranças precisam desenvolver habilidades e competências que visem unir a gestão do offline e a do online de maneira estratégica e assertiva. Por isso, separamos algumas dicas de como implementar o trabalho híbrido na sua equipe e organização. Confira!  

  

ENCONTRE O EQUILÍBRIO NA FLEXIBILIZAÇÃO  

Se pudéssemos sintetizar o propósito do trabalho híbrido em uma única palavra, provavelmente ela seria “equilíbrio”, pois trata-se da junção do melhor de cada modelo.  O trabalho remoto, por exemplo, pode ser usado na execução de tarefas que exigem alto nível de concentração ou demandam muito tempo (deep work), enquanto a opção presencial pode ter resultados mais satisfatórios em reuniões que necessitem interações sociais. 

Ao mesmo tempo, o equilíbrio deve estar presente na jornada de trabalho. De acordo com a multinacional de tecnologia e informática, Oracle, 42% dos profissionais brasileiros em home office disseram estar trabalhando ao menos 40 horas a mais por mês em comparação a quando atuavam presencialmente, um percentual que está 35% acima da média global. Assim, os líderes precisam estar atentos para que funcionários que trabalham à distância não ultrapassem a carga horária ou se sintam pressionados a produzir mais do que nos dias de atividade presencial, posto que esses fatores não só podem influenciar na perda de talentos, como também no aumento de problemas emocionais e mentais por parte dos funcionários, como a síndrome de Burnout e crises de pânico. 

Por essa razão, para uma aplicação mais assertiva do trabalho híbrido, é papel da liderança entender como as jornadas laborais estão impactando as entregas feitas por cada funcionário, baseando-se tanto nos resultados apresentados online quanto offline. Esse processo pode ser feito por meio de check-ins recorrentes entre líder e liderados, facilitando o acompanhamento da produtividade e detectando possíveis pontos de atenção. 

Neste sentido, organizações que já tinham a flexibilidade como uma de suas práticas, tendem a implementar o trabalho híbrido com maior facilidade, uma vez que a cultura organizacional está construída em cima de valores que colocam os funcionários no centro, valorizando as escolhas individuais e a comunicação dialógica, na qual as demandas e expectativas são alinhadas recorrentemente. 

  

DISPONIBILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS   

O mundo do trabalho está cada vez mais digital e, para que o trabalho híbrido funcione de fato, é fundamental que as empresas disponibilizem aos funcionários a infraestrutura e ferramentas necessárias para atuarem em qualquer lugar. Por isso, o investimento em softwares de gestão de projetos, comunicação, segurança de dados e em nuvens de armazenamento precisa ser constante, uma vez que mesmo após implementados requerem manutenção e suporte. 

Outro ponto de atenção é a necessidade de treinamentos acerca das políticas de privacidade de dados e práticas de uso das ferramentas de trabalho, a fim de garantir que os colaboradores estarão cientes de como fazer o correto uso das plataformas disponibilizadas, de modo que a falta de conhecimento não seja um empecilho para baixa produtividade ou não entrega de resultados. E, ao mesmo tempo, trata-se de uma forma de assegurar a difusão dos procedimentos de cibersegurança, maximizando a proteção das informações sensíveis e valiosas. 

  

GESTÃO DO TEMPO  

A flexibilização do trabalho reforçou uma necessidade que muitos profissionais já vinham trabalhando para aprimorar: a gestão do tempo. Isto porque, como boa parte dos trabalhadores não estava acostumada ao home office, foi necessário não só uma adaptação, mas também uma realocação do tempo disponível de modo a conciliar a rotina pessoal com a profissional. Por isso, uma boa opção é o investimento em capacitações acerca da gestão e otimização do tempo, de modo que líderes e liderados consigam desenvolver soft skills necessárias para produzir e manter o padrão de qualidade em casa ou no escritório.   

Seguindo esta mesma linha de pensamento, é vital a compreensão de que a flexibilidade e a produtividade podem (e devem) andar juntas. Os líderes não precisam do trabalho presencial para “policiar” suas equipes, o aumento da liberdade e da delegação durante o home office precisa ser entendido como uma prática de confiança, na qual os colaboradores conhecem as suas responsabilidades e, por terem maior autonomia, se sentem seguros para adaptar as suas rotinas a fim de entregar os resultados esperados dentro dos prazos estabelecidos.   

Assim, em um contexto de trabalho híbrido, líderes precisam gerenciar e acompanhar a escala de trabalho dos colaboradores, tal como criar estratégias para que a equipe siga alinhada e entregando resultados em sincronia, sempre a partir do equilíbrio da flexibilidade. Caso contrário, a falta de alinhamento e a rigidez de processos podem culminar em baixa produtividade, insatisfação e, por vezes, problemas na retenção de talentos e aumento das taxas de turnover. 

  

ESCUTA ATIVA  

Para que o trabalho híbrido seja um processo fluido e dinâmico é fundamental que a liderança preze por uma comunicação transparente e de via de mão dupla, na qual a escuta ativa tenha um papel crucial, a fim de alcançar um melhor entendimento das necessidades individuais dos colaboradores. Segundo pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, as pessoas nunca estiveram tão ansiosas e estressadas – cerca de 80% da população brasileira desenvolveu ou agravou sintomas de ansiedade durante o período de pandemia, fator que impacta diretamente a esfera do trabalho e, por essa razão, deve ser tido em conta pelas lideranças. 

Neste sentido, cabe a cada gestor analisar a real demanda da sua área e, por meio de pesquisas de clima e feedbacks, entender as preferências de sua equipe para então criar uma rotina de trabalho híbrido que atenda não só ao fluxo de atividades, mas também priorize o bem-estar e ganho de qualidade de vida por parte dos colaboradores. Esse olhar atento e a valorização do capital humano favorecem a criação de relacionamentos de proximidade e a manutenção de uma cultura colaborativa, na qual os funcionários, por serem ouvidos e se sentirem parte da empresa, contribuem ativamente para o desenvolvimento e crescimento da organização. 

Para conhecer outras práticas assertivas a se adotar em um contexto de trabalho remoto, acesse o nosso guia  “Home office -Trabalhando em casa de maneira segura e saudável” e compartilhe com os colaboradores da sua empresa 

Deixar comentário