<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=680782996107910&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

9 lições que a sua empresa pode aprender com a cultura de uma startup

5 min de leitura

Publicado em 07/03/18

São muitas as lições que sua empresa pode aprender com a cultura de uma startup. A forma cada vez mais ágil e dinâmica como o mercado e seus consumidores se comportam afeta toda a cadeia produtiva e até mesmo a maneira como os colaboradores enxergam seu trabalho.

Além disso, os profissionais Millennials que chegam ao mercado de trabalho têm outro entendimento de como devem atuar. As empresas que souberem extrair o melhor deles podem se tornar mais estratégicas e competitivas. 

Confira então as 9 lições que a sua empresa pode aprender com a cultura de uma startup.

1. Tenha um ambiente criativo e inovador

Conforme adiantamos na introdução, cada vez mais as pessoas têm a noção de que é possível sim trabalhar de forma mais leve e prazerosa. Organizações com estruturas rígidas e ambientes monótonos tendem a ser vistas como um local no qual o trabalho é uma obrigação e não um ofício do qual é possível obter satisfação.

Na cultura de uma startup, tanto a decoração do ambiente — sofás, puffs, paredes grafitadas e demais atrativos — quanto a própria organização e utilização do espaço — espaços de convivência com vídeo game, ping-pong, quintal, varanda, biblioteca e refeitório aberto — faz com que tudo ao redor lembre criatividade e inovação.

E não é à toa, o público jovem que compõe quase toda a equipe nos mais diversos ramos e setores clama por um ambiente assim. Esse clima positivo se reflete também em melhores resultados.

2. Quebre hierarquias

Vamos combinar: de nada adianta um local super descontraído, se, na prática, as pessoas ainda se tratam em relações hierárquicas de dirigente e subordinado, não é mesmo?

Afinal, a busca por maior qualidade de vida passa também pela chance de se expressar e se desenvolver plenamente no trabalho. Tanto que hoje não é raro ouvirmos histórias de pessoas que “abandonaram tudo” à procura de uma vida mais simples e plena de sentido.

Do ponto de vista prático, ao quebrar hierarquias, você também ganha em agilidade e flexibilidade nos processos, pois divide a responsabilidade com os demais fazendo com que todos se empenhem na busca por soluções. 

3. Faça o colaborador se sentir em casa

Unindo os dois primeiros tópicos, temos como resultado colaboradores mais satisfeitos com o clima organizacional e o ambiente de trabalho. Inclusive, é praticamente regra geral nas startups uma liberdade muito grande no que diz respeito ao dress code da empresa.

Você pode chegar em uma startup e encontrar um gerente de marketing vestido de bermuda e chinelo, o que, em momento algum, significa que ele seja desleixado com o trabalho ou menos eficiente que um profissional vestido de terno e gravata. Na cultura de uma startup, a entrega de resultados é o que conta.

4. Acompanhe as tecnologias

As startups são conhecidas por seus serviços de ponta, sobretudo nas áreas tecnológicas. Seja no marketing digital ou em soluções de TI, a cultura nessas empresas é de constante atualização profissional e acompanhamento das últimas tendências do mercado.

Muitas delas possuem as chamadas “universidades”, que oferecem cursos livres aos seus colaboradores e profissionais interessados, a fim de se manterem competitivas e estratégicas em suas áreas de atuação.

Nas startups, a liberdade dada também é cobrada por meio de resultados efetivos. Não confunda esse ambiente mais aberto com desleixo.

5. Quebre paradigmas

Falando em estereótipos e a maneira como estamos acostumados a ver e entender certas situações profissionais, as startups são especialistas em serem disruptivas, trazendo novas formas de trabalho e atuando em mercados de ponta.

Tanto que muitas se pautam pela entrega dos resultados, independente de onde o colaborador esteja, se no escritório ou em casa, e quantas horas trabalhou por dia. Se o que é preciso ser feito está bem executado e entregue com excelência, então pouco importa se cumpriu uma jornada de 8 horas de trabalho.

O mito de que estar dentro de um escritório trabalhando o dia todo significa produtividade vai caindo cada vez mais por terra por meio da atuação das startups no mercado.

6. Colabore de maneira aberta

Na cultura organizacional das startups, ninguém guarda o conhecimento que tem só para si. A quebra de hierarquias, citada no segundo tópico deste post, permite que pessoas de diferentes setores e níveis de atuação interajam entre si, sendo algo até mesmo encorajado pelo próprio perfil da empresa.

Em um ambiente assim, todos podem tirar dúvidas com todos e dividir insights e boas ideias. Isso também abre maior espaço para a criatividade e inovação, duas ferramentas importantes para organizações que querem se tornar mais estratégicas e competitivas

7. Lembre-se que existe vida fora do escritório

Se o seu colaborador é responsável e produtivo o suficiente para trabalhar de casa uma vez na semana ou precisa sair um dia mais cedo para passar mais tempo com os familiares, por que não permitir isso?

Empresas que seguem uma estrutura mais tradicional têm dificuldade em desenvolver essa flexibilidade na lida com os funcionários. No caso das startups, pode-se dizer que essa liberdade é praticamente uma regra geral.

Lembre-se que profissionais mais satisfeitos produzem mais e melhor, além de diminuir a taxa de turnover da sua empresa. Vale a pena!

8. Leve vida para dentro do escritório

Você sabia que o happy hour das startups pode ser dentro da firma e com cerveja gelada? Ou que nos intervalos de trabalho os colaboradores podem jogar video game e ping-pong? 

Nada melhor do que sacudir a monotonia do mundo do trabalho com um pouco de descontração e interação real entre os colaboradores. Pense que isso tudo vai além do quesito ‘diversão’ e serve para criar networkings dentro da empresa e maior sintonia entre os funcionários. Não tenha medo de quebrar a rotina na cultura organizacional da sua corporação e trazer maior dinamicidade às relações profissionais.

9. Seja ágil e flexível

Tudo o que falamos até agora parece ser um mar de rosas, não é mesmo? Pois bem, nem tanto assim. Não basta criar um clima organizacional amistoso e uma cultura disruptiva se isso não significar melhores resultados para a empresa.

Por isso, acima de tudo, saiba porque está fazendo tudo isso e direcione esses benefícios aos interesses da organização. Assim, você usufruirá dessa liberdade dada como forma de trazer maior agilidade e flexibilidade aos processos da empresa.

Os motivos disso são:

  • em muitas empresas, com uma estrutura mais rígida, os profissionais não se sentem à vontade para dividir seus problemas e isso gera morosidade;

  • em locais onde um colaborador pode consultar e ajudar o outro sem amarras, os resultados podem vir mais rápido e de maneira mais criativa;

  • nem sempre quem está em um cargo mais alto dominará todos os aspectos da sua área melhor que um subordinado.

Como pode ver, a cultura das startups oferece um potencial incrível de crescimento se usada com propósito. Aproveite cada lição passada neste post para ir mais longe em sua empresa.

Se você gostou de conhecer as 9 lições que sua organização pode aprender com a cultura de uma startup e ainda quer esclarecer algum ponto, deixe seu comentário. Será um prazer ajudar a otimizar a gestão de pessoas em sua empresa.

Deixar comentário