<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=680782996107910&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Liderança vulnerável: o poder da sinceridade na gestão de pessoas

4 min de leitura

Publicado em 02/03/21

O conceito de liderança tem passado nos últimos anos por tantas mudanças quanto o próprio mercado em si. Ficou para trás aquela figura do chefe, sisuda, que, do alto do seu pedestal, não tinha (ou não assumia) fraquezas e preocupações. Em seu lugar, surgiu um líder mais humano, que não tem medo de se expor, demonstrar preocupações, participar mais ativamente do dia a dia dos seus liderados. Este é o conceito de liderança vulnerável. Neste artigo vamos falar da importância de ser sincero com seus colaboradores e como isto te torna um líder melhor.

Aproveite para descansar os olhos e ouvir este conteúdo

O mal compreendido conceito de vulnerabilidade

Vulnerabilidade é um conceito que, visto ao pé da letra, parece algo ruim. Indo ao dicionário você encontrará definições como: “frágil, delicado, inseguro” ou “aquele que não está apto para uma situação de dificuldade”. Mas quando falamos do mundo corporativo, é um erro fazer essa tradução.

Por que a vulnerabilidade é uma força e não uma fraqueza?

 

A pesquisadora Brené Brown, em seu TED TALK em 2010, definiu vulnerabilidade como coragem para arriscar mesmo quando não se sabe o resultado, viver experiências novas, dizer coisas importantes, ouvir o outro, aceitar as falhas, assumir os riscos, e buscar ideias melhores que a sua. Ou seja, a vulnerabilidade de que falamos tem muito mais a ver com coragem do que com fraqueza. É sobre aceitação, sobre ter autoconhecimento e principalmente sobre estar aberto a dividir suas emoções com outras pessoas.

A vulnerabilidade, então, se torna uma força, porque é capaz de estabelecer maiores e mais verdadeiras conexões entre as pessoas. Enquanto líder vulnerável, você se permitirá estar mais perto das equipes, compartilhar desafios e soluções.

Lembrando que não estamos falando aqui de vulnerabilidade social, que é assunto para outras conversas.

Exemplos de situações em que ser vulnerável te torna um líder melhor

Inovação

Ser um líder vulnerável é crucial para alguém que busca implantar uma cultura de inovação na sua empresa. Inovar significa enfrentar riscos, flertar com possíveis erros e saber ouvir ideias de todos os lados. Se um líder não trabalha sua vulnerabilidade, ele é incapaz de aceitar os erros que acontecem no progresso da inovação, ou talvez não aceite ideias de colaboradores que não estão diretamente ligados ao processo. O líder vulnerável trabalha junto com as pessoas para buscar a inovação.

Colaboração

Um líder vulnerável é capaz de assumir suas falhas e seus pontos a desenvolver, da mesma maneira que pode enxergar as maiores forças e fraquezas de seus liderados. Além disso, quem tem este perfil tende a ser mais comunicativo e colaborativo. Quando se tem ciências das principais capacidades e competências de TODOS (isso inclui você) na equipe, e se tem uma comunicação franca sobre os objetivos, status e processo de cada entrega, é muito mais fácil criar um ambiente colaborativo.

Gestão de Crise

A transparência é a palavra-chave em uma gestão de crise nos tempos atuais. Vivemos períodos de grande incerteza política, econômica e social. Os colaboradores precisam da segurança que vem da verdade. Não adianta em uma crise querer esconder fatos, ou fingir que está tudo bem. Este status de “inatingível” irá apenas confundir e preocupar os profissionais da sua equipe que enxergarão essa postura dura como medo de falar a verdade. Quando se é vulnerável, você está disposto a dividir suas preocupações com a equipe. Dizer que “Olha, estamos passando por um período de baixa venda e precisamos pensar juntos em alternativas” será muito mais tranquilizador do que “Não pensem nisso, apenas façam seu trabalho”. As pessoas precisam das informações para se sentirem mais seguras e confiantes em seus trabalhos.

 

Aproximação com os colaboradores

Se você é um líder que compartilha suas dores e pontos fracos, seus colaboradores também serão mais propensos a dividir as preocupações deles com você. Claro que como e quando fazer isso varia de acordo com o perfil de cada colaborador, alguns mais extrovertidos e outros menos. Mas a sua vulnerabilidade cria um clima mais acolhedor e propicia uma cultura de feedback que pode existir mesmo fora dos canais oficiais, permitido você entender o que se passa com cada colaborador e possibilitando que você possa ajudá-los da melhor maneira possível.

Caso queira mais exemplos de como a vulnerabilidade pode tornar um líder melhor, ouça nosso podcast sobre lideranças da ficção e como podemos aprender com elas:

Como se tornar mais vulnerável?

 

Aceite suas fraquezas

O primeiro passo é aceitar suas fraquezas. Como líderes, temos o ímpeto de tentar ser perfeitos o tempo todo, para não deixar as outras pessoas na mão, nem nossos liderados, nem nossos pares, nem nossos superiores. Essa pressão faz com que neguemos as dificuldades que temos em determinadas áreas e queiramos resolver tudo sozinhos, afinal “é nossa responsabilidade”. Porém isto está errado. Não há nenhum problema em pedir ajuda, pelo contrário. Assumir os pontos fracos ajuda não só a trabalhá-los, mas também a entender que os outros também devem melhorar e precisam, assim como você, de ajuda às vezes.

Erros acontecem, lide com isso

Não há mais no mundo corporativo espaço para o perfeccionismo exacerbado. Se por um lado é bom buscar sempre o melhor, deixar que isto se torne uma compulsão irá afastar você das pessoas e dos bons resultados. Ser mais vulnerável é aceitar que as pessoas erram – isso inclui você – e que é melhor enxergar estas falhas como aprendizado do que chorar pelo leite derramado ou, pior ainda, fazer uma caça às bruxas atrás de um culpado.

Encare (e fale) a verdade

No TED Talk que deixamos acima, Brene Brown disse o seguinte: “Verdade e coragem não são sempre confortáveis, mas elas nunca são fraqueza”. Então é preciso ter coragem para encarar a verdade nos olhos, mesmo quando ela não é tão bonita de se olhar, e falar com franqueza com as pessoas que você lidera. Dizer a verdade aproxima e cria laços. Mas lembre-se: ser sincero não é o mesmo que ser duro. Por isso, atente-se ao próximo ponto.

Pratique a empatia

Praticar a empatia é se colocar no lugar de outra pessoa para compreender suas atitudes e sentimentos. Acima de tudo, ser empático é criar um ambiente de confiança, afinal, quando você faz o seu máximo para compreender os seus liderados, eles se sentem mais seguros ao seu lado.

Não deixe o medo te travar

O medo tem um poder incrível nas nossas vidas e muitas vezes ele é nosso aliado. O problema é quando ele nos impede. Fomos criados para enxergar as falhas, inseguranças, erros mínimos como algo inaceitável. E por isso temos medo de errar, medo de encarar decisões difíceis, de ter uma conversa séria. E principalmente de fazer isso de “peito aberto”. Para ser mais vulnerável é preciso aceitar o medo e, como se diz, “fazer com medo mesmo”.

Se estiver interessado em saber mais sobre o “medo de errar”, recomendo o nosso podcast sobre o tema:

 

 

Procure ajuda

Por fim, é muito difícil conseguir tornar-se mais vulnerável da noite para o dia, ainda mais se você tentar fazer este processo sozinho. Por isso é recomendável que você procure ajuda de um profissional como um psicólogo ou mesmo um coach de liderança para te ajudar nesta caminhada.

Na Right Management, temos projetos de Coaching que ajudam os líderes a construir uma base sólida de habilidades, competências, comportamentos e confiança. Conheça nossos serviços aqui.

Deixar comentário